sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

La Noyee d'Amelie

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Hurts Like Heaven







Written in graffiti on a bridge in a park

'Do you ever get the feeling that you're missing the mark?'

It's so cold it's so cold

It's so cold it's so cold


Written up in marker on a factory sign


'I struggle with the feeling that my life isn't mine'


It's so cold it's so cold


It's so cold it's so cold






See the arrow that they shot


Trying to tear us apart


Took the fire from my belly and the beat from my heart


Still I won't let go


Still I won't let go






Of you- ooh ooh


'Cause you do


Oh you use your heart as a weapon


And it hurts like heaven






On every street every car every surface are names


Tonight the streets are ours and we're writing and saying


Don't let em take control


No we won't let em take control






Yes I feel a little bit nervous


Yes I feel nervous and I cannot relax


How come they're out to get us?


How come they're out when they don't know the facts?






So on a concrete canvas under cover of dark


On a concrete canvas I'll go making my mark


Armed with a spray can soul


I'll be armed with a spray can soul






And you ooh ooh


You ooh ooh


You use your heart as a weapon


And it hurts like heaven...

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Blue Jeans

domingo, 16 de dezembro de 2012

Verbalize

Eu devorei
O prato que a vida me preparou pra ser degustado
Eu me encostei
Parasita em sua pele crua e fervendo
Eu escrevi
As linhas que diziam tudo o que você queria ouvir
Me assustei
Ao ver o melhor pedaço em seus dentes antes de engolir
Em sua boca eu fiquei
Joguei a isca e acabei como peixe fisgado

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Incontestável

Eu sou apenas alguém ou até mesmo ninguém
talvez alguém invisível
que o admira a distância sem a menor esperança
de um dia tornar-me visível

E você?
você é o motivo
do meu amanhecer
é a minha angustia
ao anoitecer

você é o brinquedo caro
e eu a criança pobre
o menino solitário que quer ter o que não pode
dono de um amor sublime
mas culpado por quere-lo
como quem a olha na vitrine
mas jamais podera te-lo

Eu sei de todas as suas tristezas
e alegrias
mas você nada sabes
nem da minha fraqueza
nem da minha covardia
nem sequer que eu existo
é como um filme banal
entre o figurante e a ator principal
meu papel era irrelevante
para contracenar
no final.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Hoje é o dia

Hoje é o dia em que acordo e não sei o que fazer.
O tempo passa voando sem que eu faça nada e me sinto normal.
- Como estás? - Tu perguntas.
- Normal. - Respondo.
Minha vida de uns 6 meses pra cá tem sido um constante "normal".
Como se não bastasse o frio,o tédio, o amargo da vida, a fome, a preguiça, eu ainda tenho que aguentar e saber me segurar.
Me restrinjo, me humilho e me despedaço hoje.
Sempre simplório, me contento com medíocres produtos que, ao serem adquiridos, apetece o consumismo imediatista que anestesia a sensação de vazio.
É, apenas normal. Apenas.

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Ressaca Moral

Tô me afastando de tudo que me atrasa, me engana, me segura e me retém. Tô me aproximando de tudo que me faz completo, me faz feliz e que me quer bem. Tô aproveitando tudo de bom que essa nossa vida tem. Tô me dedicando de verdade pra agradar um outro alguém. Tô trazendo pra perto de mim quem eu gosto e quem gosta de mim também. Ultimamente eu só tô querendo ver o ‘bom’ que todo mundo tem. Relaxa, respira, se irritar é bom pra quem? Supera, suporta, entenda: isento de problemas eu não conheço ninguém. Queira viver, viver melhor, viver sorrindo e até os cem. Tô feliz, tô despreocupado, com a vida eu tô de bem.

domingo, 25 de novembro de 2012

Figure 8

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

5 letras

Bom dia.
Hoje é um daqueles dias em que penso sobre o que escrever, afinal o blog ficou um bocado parado.
- Mas, por quê? - tu perguntas.
- Ora, porque sim! - respondo.
Primeiro porque não tenho leitor, muito menos leitores. Vejo o relatório de acessos do Google e vejo um número de visitas que me surpreende mas aí penso, entraram por engano. E os lugares? Tem gente dos USA, Inglaterra, de vários estados do meu querido Brasil e aqui de Portugal também!
Vai entender... Enfim.
Vamos ao que interessa.
Digamos que eu estou permitindo viver, criar objectivos e expectativa. Recentemente conheci uma pessoa também, como pode ser observado nos posts anteriores.
Uma pessoa incrível e misteriosamente fofa. Hahaha... Mal dos signos da água.
E isso tem ocupado parcialmente meu tempo, mas grande parte da minha cabeça.
E é isso.
Como sabe, estou morando em Portugal. (Sim, vou escrever, caro leitor, no singular como se escrevesse directamente a ti, talvez isso remeta uma aproximação entrar a gente, quem sabe não marcamos um café?) e já cheguei há 7 meses.
7 meses que passaram voando. Nem senti o verão chegar e ir embora. To caindo na real agora que o inverno se aproxima e até meus pensamentos andam congelados.
Comecei o mestrado e quem diria: MESTRADO.
Algo que até alguns anos parecia uma coisa distante e inalcansavel e agora é uma realidade e eu to encarando de forma natural. Acho que ando um pouco frio em relação as coisas também.
Ultimamente são raras as coisas que me surpreendem, e não sei se isso é bom. Meus dias ainda oscilam entre "dia maravilhoso" e "bosta de dia", dependendo do meu nível de cafeína, expectativas de contato com quem me apetece e minhas crises de carência afectiva.
Além disso, o facto de conviver com pessoas de outras culturas me proporciona uma perspectiva completamente diferente do mundo, de mim, de amor, da vida, de tudo. O que é mais estranho, é que, quando olho pra trás, não me reconheço mais como pessoa. Não consigo ter os pendentes que tinha e os atuais não corresponderem em nada com o que tinha há alguns meses. E não são anos, são meses.
Sinto que essa experiência aqui me fez amadurecer ideias que antes me passavam despercebidas.
Acho que isso é bom, sei lá.
Agora teno um iPad o que também pode ser que ajude a movimentar mais um bocado esse blog parado. Que dó!
Destinei tanto tempo a ele e agora... Enfim.
Vou parar por aqui. O café fez afeito e não consigo ficar sentado e concluir um pensamento em condições. Beijos

Ah, o título não tem nada a ver com o post, pois não? Não.
Escrevi o título antes de começar a escrever... Ia falar sobre a tal pessoa que conheci.
Mas sei lá. Vou com calma... Preciso de mais tempo pra processar iss também.
_I_GO

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Coisa Linda!

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Maturidade

Chega um dia e não quero mais escrever e nem falar de nada.
Nada de trabalho, de estudar, de ouvir historias.
Nenhum discurso de falsa moralidade.
Nada relacionado à maturidade cola comigo.
Ninguém vai me dar lição de moral, porque não há moral!
Tenho 25 anos, lindos e bem vividos.
E vivo como tal, como um cara de classe media de 25 anos.
Não tenho que fazer uma pose de 40 para que eu possa bater no peito como título de grandeza ou posse de uma coisa que não possuo chamada experiência! Tenho 25 anos de experiência e fim.
Essa é minha limitação e não me sinto melhor ou pior com isso.
Me sinto seguro em ter 25 com a cabeça de 25!
Já tive 20 com cabeça de 15 e hoje eu apenas vivo.
Vivo intensamente, não sei quando vou morrer! Me permito loucuras e me divirto bastante.
Essa é a graça da vida! Nos aceitarmos com a idade que temos e não ansiar mais... Adolescentes anseiam em ser mais velhos, mas após esse período temos que aprender a conviver com a nossas limitações. Quem muito quer ser maduro, acaba podre!
E que vivamos! A vida é o agora!
E quem venham os 30, 40, 50... Estou pronto meus lindos!

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

O Ovo

Leia com calma...




Você estava a caminho de casa quando morreu.

Foi um acidente de carro. Não foi nada particularmente memorável, mas ainda assim fatal. Você deixou uma mulher e duas crianças para trás. Foi uma morte indolor. Os paramédicos tentaram o melhor para salvá-lo, mas não havia jeito. Seu corpo estava tão estraçalhado que você estava melhor morto, confie em mim.

Foi então que me conheceu.

"O q...o quê aconteceu," você perguntou "e onde estou?"

"Você morreu" respondi, dando os fatos. Não havia sentido em amenizar as coisas.

"Tinha um...caminhão e ele estava rabeando..."

"Sim", eu disse.

"E-eu...morri?"

"Sim. Mas não se sinta mal com isso, afinal todo mundo morre."




Você olhou em volta, e não havia nada além de nós dois. "O que é esse lugar," você perguntou. "isso é a vida após a morte?"

"Mais ou menos".

"Você é Deus?"

"Sim", respondi, "Eu sou Deus".

"Meus filhos...minha mulher..."

"O que tem eles?"

"Eles ficarão bem?"

"É isso que eu gosto de ver, você acabou de morrer e sua maior preocupação é a sua família. Isso é importante!"

Você me olhava fascinado.Para você, eu não parecia Deus, e sim algum homem... ou talvez uma mulher. Eu parecia uma figura vagamente autoritária, talvez um professor de gramática, nada como O Todo Poderoso.

"Não se preocupe, eles ficarão bem. Seus filhos se lembrarão de você como alguém perfeito em todos os sentidos. Eles não tiveram tempo de se decepcionar com você. Sua mulher chorará por fora, mas estará secretamente aliviada. Sendo justo, seu casamento estava desmoronando.E se serve de consolo, ela se sentirá culpada de tanto alívio."

"Bom, e o quê acontece agora? Eu vou para o Céu ou para o Inferno?

"Nenhum dos dois, você vai reincarnar."

"Ah, então os hindus tinham razão?"

"Todas as religiões estão certas da própria maneira" respondi."Vamos caminhar"

Você me acompanhou enquanto seguíamos pelo vazio. "Onde estamos indo?"

"Nenhum lugar em particular, é que eu acho bom caminhar enquanto conversamos."

"Então, qual é o sentido nisso, se quando eu renascer serei apenas um bebê, com tudo em branco. Todas as minhas experiências e conhecimento não valerão de nada."

"Não é bem assim. Você tem dentro de si todo o conhecimento e experiências de todas as suas vidas anteriores. Só não lembra delas agora."

Eu parei de andar e o tomei entre os ombros. "Sua alma é mais magnífica, bela e gigantesca do que você poderia sequer imaginar. Uma mente humana só pode conter uma fração ínfima de quem você é. É como colocar seu dedo num copo de água para saber se está quente ou fria. Você coloca uma pequena parte de você no mundo, e adquire a experiência que ela passa."

"Você esteve nessa vida humana pelos últimos 48 anos, então você ainda não se situou a ponto de sentir o resto de sua imensa consciência.Se nós ficássemos por aqui tempo o bastante, você lembraria de tudo. Mas não teria sentido fazer isso entre cada reencarnação."

"Quantas vezes eu já reincarnei?"

"Ah, muitas, muitas vezes! E muitos tipos diferentes de vidas. Na próxima, você será uma garota camponesa da China, no ano de 540 DC."

"Ei, espera aí, você vai me mandar de volta no tempo?"

"Bom, tecnicamente sim, eu acho. Tempo, como você o conhece, existe apenas no seu Universo. As coisas são diferentes de onde eu venho."

"De onde você vem..."

"Ah, sim, eu venho de um lugar. Um outro lugar. E há outros como eu. Eu sei que gostaria que eu lhe contasse como é lá, mas honestamente, você não entenderia."

"Oh...Mas espera, se eu reincarnar em outros períodos de tempo, quer dizer que posso ter interagido comigo mesmo em algum momento!"

"Claro, isso acontece o tempo todo. Com ambas as vidas conscientes apenas de seu próprio período, você sequer imagina que isso está acontecendo."

"Então, qual é a razão de tudo isso?!"

"Sério, você está realmente me perguntando qual é o sentido da vida? Isso não é meio típico demais?"

"Bem, é uma pergunta razoável." Você tentou insistir.

Eu o olhei nos olhos. "O sentido da vida, a razão pela qual eu criei esse Universo, é para seu amadurecimento."

"Você quer dizer a humanidade? Você nos quer mais maduros?"

"Não, apenas você. Eu fiz todo o Universo para você. Com cada vida, você cresce, amadurece e se torna um maior e mais completo intelecto."

"Só eu? E quanto a todos os outros?"

"Não há mais ninguém, nesse universo estamos só você e eu."

Você me olhava totalmente estupefato. "Mas e todas as pessoas da Terra..."

"Você. Todos eles são diferentes encarnações suas."

"Espera, eu sou todo mundo?"

"Agora estamos chegando lá." Eu disse com um tapinha congratulatório nas suas costas.

"Eu sou todos os humanos que já viveram?"

"E todos os que viverão, sim."

"Eu fui Abraham Lincoln?"

"E John Wilkes Booth também."

"Hitler?"

"E os milhões que ele matou."

"Eu sou...Jesus?"

"E todos os que o seguiram."

Nesse momento, você ficou em silêncio.

"Toda vez que você matou alguém, estava matando a si mesmo. Cada ato de bondade que cometeu, era também no seu próprio benefício. Cada momento de alegria ou tristeza que qualquer ser humano já teve ou terá, era seu."

Você pensou por um longo tempo.

"Por quê fazer tudo isso?"

"Pois um dia, você será como eu. Porquê é o que você é. Você é da minha espécie. Você é meu filho."

"Opa, opa! Quer dizer que eu sou um deus?"

"Não, ainda não. Você é um feto. Ainda está crescendo. Assim que viver todas as vidas humanas através do tempo, terá crescido o bastante para nascer."

"Então, todo o Universo, e tudo que há nele..."

"Um ovo. E agora, é hora de você seguir em frente para sua próxima vida."

E o coloquei a caminho.












Fonte: http://medob.blogspot.pt/2012/07/o-ovo.html

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Sem piada...


Como posso passar os meus dias a disfarçar que nada sinto
Se quando te vejo meu coração dispara, então minto
Abaixo a cabeça e olho pra baixo, penso em algo a dizer
E sempre que nos despedimos, não sei o que fazer

A vontade de te beijar é grande demais pra segurar
Mas tu é quem sabes se posso ou não avançar
Sinto seu cheiro e seu abraço, e isso me conforta
Mas se não posso te ter, do que tudo isso importa?

Não quero ser mais um amante e estar contigo durante o dia
Se sua mente está comigo, mas seu corpo com ele durante a noite
Ás vezes sufoca querer falar e fazer tanta coisa em vão
Se não tenho ideia do que passa no seu coração

Ontem fui dormir decido a botar um ponto final
Mesmo com toda essa situação a me deixar mal
Mas quando acordo, procuro logo uma mensagem sua
E quando a vejo, não sei se fico feliz ou triste
Só sei que estou mesmo gostando de ti... Fica comigo? 

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Permita-se


Outra noite que se vai
E aqui sozinho estou pensando em como tudo poderia ser diferente
“Não posso fazer nada”, você me diz.
Acredito que as pessoas tem sim o poder de mudar suas vidas
E permitirem que as mudanças venham...
Estamos habituados ao seguro. Mesmo que o seguro não seja a nossa felicidade.
Mesmo que não haja amor, ou até haja, mas não é amor, é carinho.
Se permita experimentar... e buscar a felicidade!
O problema não está em não ver, está em enxergar, mas querer manter os olhos fechados pra verdade.
Será medo?
Passa tanta coisa na minha cabeça que a única coisa que eu penso em fazer é correr.
E calar. E fugir. Em fingir ter uma frieza que não existe em mim.
E com isso, tentar me convencer que, se fosse em outra época, a gente se conheceria e nos permitiríamos nos completar.
O que me mata, é não ver nenhuma atitude da sua parte pra isso.
É saber de tanta merda da outra parte e ter que me calar pra não interferir na ordem natural das coisas.
As vezes da vontade de gritar pra ti “OI, eu to aqui! Não faça nada por mim, faça por você!” e pra ele “Caralho, dê valor, para com isso...” e eu não sinto mais raiva, nem ranco, nem ciúmes, eu sinto inveja. “Se eu fosse ele, faria diferente...”
E então, quando isso passa, eu continuo fingindo que o dia continuar e eu tenho coisas mais importantes a fazer. E escrevo, e desabafo... penso que talvez você pode ler tudo isso, ou qualquer outra pessoa, mas foda-se. Eu penso assim e nunca fui de calar a voz da minha mente nesse blog.
Aliás, uma coisa que eu faço é me permitir. Me permito colocar tudo sem medo, sem pena e até sem sentido as vezes. E você, se permite?
Se permita me conhecer, posso ser o amor da sua vida, mas se não for, posso ser um grande amigo.
Me permiti desabafar e com o tempo, posso me permitir seguir em frente...

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Para nunca mais...

domingo, 14 de outubro de 2012

Platônico


Olho o relógio, estamos atrasados
Há 12 minutos deveríamos ter nos encontrado
Sinto que estou a suar, minha boca está seca
Desço da estação, coração acelera
Olhares focados em todos os pontos e ouvidos apurados
Pronto, te achei. Coração pela boca.
Então você se aproxima e diz "Oi"
Emoção do primeiro contato, um abraço tímido
Não sei o que falar... Muita coisa pra assimilar.
Mas disfarço, aliás, uma coisa que faço bem.
Disfarço que eu queria que o tempo parasse ali...
E continuo ouvindo, e falando... sorrindo...
Mas ao mesmo tempo olhando, analisando, explorando...
Me sinto um pouco stalker enquanto caminhamos
E caminhamos. Reparo no seu andar, na sua voz, no sotaque
No jeito que mexe os braços, no desenho das calças no corpo
Na sua bota de couro castanho, no seu sorriso
De tudo, o que mais me surpreende é o olhar tímido enquanto te encaro.
Cumplicidade, a atenção está voltada a mim. Tento medir o que falar, mas estou travado...
Há um muro entre a gente.
Então o dia caminha assim, comigo tentando ser o mais natural possível... Colou?
Apenas tentei mergulhar nos seus quilômetros de mistérios trancafiados dentro da sua insegurança, porém em vão.
Apesar de toda sinceridade em tudo o que disse, faltou algo.
Hora de ir embora... sorriso, aquela sensação de "e agora, o que faço?"
"Tchau" e te vejo pela ultima vez enquanto desço as escadas.
Coração dispara, mensagem sua.
Expectativas... Conversas... e um banho de água fria pra fechar a noite.
fim.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Live fast, die young, be wild and have fun...

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Ecos de uma sala vazia

Hoje a noite terminou mais fria
Mas com ela, uma nova esperança surgiu
Assisti o seu carro enquanto partia,
E percebi que a nossa casa caiu.

O tempo se mostrou ser um tanto quanto ingrato
Mas que toda ação tem uma reação, isso é um fato
De todas as nossas lembranças e a nossa alegria
Só nos resta os ecos de uma sala vazia.

Agora todo som é mais alto e nada mais disso importa
pois sei que a partir de agora, não passará mais por aquela porta
Parece estranho, as vezes fico sem chão e sem fala
Mas vejo nossos defeitos e entendo o que nos separa

O tempo passou bem rápido e nós perdemos
Tudo o que plantamos, um dia colhemos
De todas as nossas lembranças e a nossa alegria
Só nos resta os ecos de uma sala vazia.

Amanhã é um novo dia, fé na graça divina
Já espero uma nova vida, casa e rotina
Menos drama e mais ação, e quem sabe um dia, perdão
Não quero desculpas, quero respeito
E um pouco de paz para acalmar o coração.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Someone like you

domingo, 30 de setembro de 2012

A nossa verdade

Quando estou chegando em casa pra dormir
Você esta acordando na cama de outro cara
Inventamos uma dimensão distante
E vivemos nela enquanto o tempo nos separa

Moramos juntos sob o mesmo teto
Mas nada mais nos prende, nem afeto
Você cozinha e eu lavo a louça aos poucos
Mas depois do jantar, saímos com outros

Ta na nossa cara que desistimos antes da nossa hora chegar
E que agora não adianta mais lamentar
Nossos defeitos um pro outro se tornaram algo fatal
E por isso, seguimos nosso caminho de um jeito individual

Todo mundo percebe nossa cara de pau
Quando mentimos e dizemos que o amor acabou
Mas se junto não conseguimos ficar
Separados só fazemos merda, não da pra notar?
Enquanto você viaja com os caras mais velhos da internet por aí
Estou jogado em algum bar por aqui, assistindo o sol nascer de mãos dadas com um desconhecido.

E o tempo só passa, enquanto nossa química vai embora
Já é tarde demais pra voltar atras, e por isso fecho os olhos agora
E digo adeus a todas as lembranças então verdade vem a tona:
voltamos agora aos tempo de caça, onde o desapego reina e nossa casa desmorona.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Lugar ao Sol

Que bom viver, como é bom sonhar
E o que ficou pra trás passou e eu não me importei
Foi até melhor, tive que pensar em algo novo que fizesse sentido
Ainda vejo o mundo com os olhos de criança
Que só quer brincar e não tanta "responsa"
Mas a vida cobra sério e realmente não dá pra fugir

Livre pra poder sorrir, sim
Livre pra poder buscar o meu lugar ao sol

Um dia eu espero te reencontrar numa bem melhor
Cada um tem seu caminho, eu sei foi até melhor
Irmãos do mesmo Cristo, eu quero e não desisto
Caro pai, como é bom ter por que se orgulhar
A vida pode passar, não estou sozinho
Eu sei se eu tiver fé eu volto até a sonhar

Livre pra poder sorrir, sim
Livre pra poder buscar o meu lugar ao sol

O amor é assim, é a paz de Deus em sua casa
O amor é assim, é a paz de Deus que nunca acaba

Nossas vidas, nossos sonhos têm o mesmo valor
Eu vou com você pra onde você for
Eu descobri que é azul a cor da parede da casa de Deus
E não há mais ninguém como você e eu

sábado, 22 de setembro de 2012

Conclusão Inevitável

Simples demais, mas o tempo complicou.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Costumes


Eu pensei
Que pudesse esquecer
Certos velhos costumes

Eu pensei
Que já nem me lembrasse
De coisas passadas


Eu pensei
Que pudesse enganar
A mim mesmo dizendo
Que essas coisas da vida em comum
Não ficavam marcadas


Não pensei
Que me fizessem falta
Umas poucas palavras
Dessas coisas simples
Que dizemos antes de dormir


De manhã
O bom dia na cama
A conversa informal
O beijo depois o café
O cigarro e o jornal

Os costumes me falam de coisas
De fatos antigos
Não me esqueço das tardes alegres
Com nossos amigos


Um final de programa
Fim de madrugada
O aconchego na cama
A luz apagada

Essas coisas
Só mesmo com o tempo
Se pode esquecer


E então eu me vejo sozinho como estou agora
E respiro toda a liberdade
Que alguém pode ter

De repente ser livre
Até me assusta
Me aceitar sem você
Certas vezes me custa

Como posso esquecer dos costumes
Se nem mesmo esqueci de você

domingo, 16 de setembro de 2012

Em Voz Alta

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Puto Perdido (Garoto Perdido)

Vendeu sua alma pro acaso
Se oferece a pessoas vazias
Queixa-se da cansaço
Mas se afoga em mentiras

Relacionamentos casuais
Prazeres ocasionais
Sujeito a disponibilidade alheia
Transpira insatisfação

Deseja quem não pode
Se entrega pra que não liga
Arrisca com outros a quem ilude

Mas de nada adianta
Se perdido está
Pois quem procura, achará!

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Esperança de Mentira

Ja me disseram que quem tem sorte no amor, tem azar no jogo
Mas eu trocaria qualquer prémio pra te ter novamente
Conviver contigo chega a ser torturante
Te ver e não poder tocar, sentir e não poder falar
Saber que já tem muitos outros na fila de espera
E eu voltei pro fim dela sem poder reclamar

Sei que tudo que faço agora é em vão, mas como calar o coração?
Se ele insiste em dizer que eu te amo
Mesmo com o tempo passando...

Sinto uma imensa vontade de te fazer carinho, de cuidar de ti,
Fazer que a vida seja mais simples, e com que tudo se resolvesse em um piscar de olhos

É tão difícil estar junto estando separado
Vivendo dias eternos sem ser notado
Ansiar pelas noites que ainda virão, e de que de tão frias vão gelar o coração

Acredito realmente que um dia esse mal estar que nos persegue vai passar
E a saudade vai nos reaproximar
Quero ouvir aquele bom dia preguiçoso e sentir a boca mais macia do mundo todo tocando meus lábios
E o mundo nos permitindo amar.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Te matando em mim

Um belo dia resolvi sair de casa
Me encontrar com as pessoas das fotos
Encontros perfeitos com pessoas desconhecidas
Não passavam de crianças sozinhas implorando atenção enquanto minha frieza não apetecia a satisfação
De-me mais um gole dessa garrafa dessa coisa que já não lembro o nome
Mas me faz sentir mais leve...

De copo em copo, de bar em bar
Procurando em outros o que em ti não irei encontrar
Esperando que a culpa desapareça
E sua falta, eu possa superar...

Ontem a noite passou como uma nuvem no céu
As estrelas brilhavam e aquela sensação
ansiedade misturada com o amargo da solidão
Se eu pudesse voltar no tempo, estaríamos sentados na nossa mesa de jantar
Um abraço, uma pizza e rindo até o dia clarear...

De corpo em corpo, de bar em bar
Procurando em outros o que em ti não irei encontrar
Esperando que a culpa desapareça
E um novo amor eu possa encontrar...

O que mais doi, nao é saber que esse é o reflexo do nosso fim
É pensar que nada disso precisava sem assim
Éramos perfeitos um pro outro do nosso jeito de ser
E agora seu corpo preenche a cama de outras pessoas
Enquanto a gente se engana com aquela história de que a vida continua, sem que minha mão encoste na sua.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Our moments together I will keep them forever, our hearts must surrender...

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Empty Boy

Sem encontrar as palavras, os gestos ou olhares, só restava ao garoto usar palavras de outros e dançar fingindo que nada estava acontecendo dentro dele… A mesma reação de sempre, escolheu a máscara mais bonita e desencanada para vestir e esconder os arranhões e sangramentos presentes no corpo real.


Chorava baixinho para que apenas as pessoas perdidas pudessem ouvir ...


Era o vazio tomando conta de tudo novamente, assim ele sentia e assim se realizava o sentimento. Mais uma vez as pessoas escorriam pela sua mão feito areia molhada pela água do mar, não restava um pingo da famigerada esperança para o rapaz… Na verdade só restava fingir que tudo estava bem como antes, não daria o luxo dos outros verem o quão machucado ficou.
Durante dias, noites, meses e anos ele se deitou na cama e chorou silenciosamente todas as suas perdas, chorava baixinho para não acordar as outras pessoas da casa ou do prédio… Chorava baixinho para que apenas as pessoas perdidas pudessem ouvir e aí elas saberiam o quanto ele as queria bem e o quanto ele gostaria de ter tido força para lutar por elas… Porém força não era uma qualidade dele, era do irmão ou da irmã… Mas não dele, a qualidade dele era a de dissimular as realidades, dissimular a própria realidade e transformar tudo num enorme seriado de tv no qual os tempos tristes passariam num átimo.
Nesse dia ele se levantou, estava mais triste que o normal… Havia perdido mais uma vez, sua coleção de potes vazios ganhava mais uma aquisição. Não conseguia pensar muito bem nos acontecimentos, havia muita confusão, melancolia e angustia dentro da cabeça do garoto. Tinha vaga noção de ter perdido algo importante e que novamente não conseguiria recuperar, mesmo querendo não perder com todas as forças ele não conseguiria. Se acostumara a ser o elo mais fraco da corrente e assim seria mais uma vez.

Olhou o céu, fitou a lua mais prateada que nunca e desejou com tudo o que podia não perder daquela vez… Apenas daquela vez gostaria de não perder… Em vão, tudo se foi como se nunca tivesse existido e aumentando o vazio e as desilusões do rapaz… E aí ele começou a sumir, palidecer e virar nada igual a antes.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

(Sem Título)

O orgulho é uma doença terrível, destrutiva, que te afasta das pessoas e as magoa. O pai do orgulho é o egoísmo, quando não se pode sustentar sozinho situações difíceis, mas não se tem humildade nem coragem de pedir ajuda. O pior de tudo, é que isso adoece também quem está a sua volta.

domingo, 19 de agosto de 2012

Inutilmente

Era uma vez um garoto que se apaixonou,
Sua vida toda pelo outro, dedicou
Mudou de cidade, faculdade terminou
Ingenuidade pra sempre ali reinou.
Um dia foi traído e pro inferno foi e voltou
E de ali pra frente relacionamento ruinou
Insistiu porque nele acreditou
Mas no fim, nada adiantou.

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Sinta a vontade de ficar

Fique à vontade meu bem
Sinta vontade de ficar
Não tenha pressa
Quem sabe aqui é seu lugar
Mas se tiver de ida
Vê se não vai assim sem mim
Deixa a dor pra depois
Vamos nos aventurar nesse nosso tempo
Após prantos sem chorar

Me mostra tua coragem
Vai leve tudo de mim
Apague os passos da estrada
Tente nem se quer lembrar
Daquele nosso tempo
O qual era tão fácil amar

Diz que quando eu for embora
Sempre vai me procurar
Não que eu não queira
Sempre eu vou te amar
E em cada estação
Em que não puder estar
Levo essa saudade
Enquanto não posso te levar
E no fim desse sufoco
Espero contar com a sorte
Se ela existe,
Que só a morte possa nos separar.

domingo, 8 de abril de 2012

???

sexta-feira, 16 de março de 2012

Sensível demais

Por que querer seguir uma vida tão diferente das que sou acostumado à observar? Por que ser tão rude e intolerante com meus próprios atos? Por que não consigo encontrar um caminho para me afastar dessa solidão que à muito atormenta meu fraco coração? Por que aceitar que não sirvo para nada e poder ver meus queridos companheiros vivendo um lindo conto de fadas onde me torno o plebeu a fera a madrasta... Por quê?

Será esse o meu frágil destino, viver as sombras dos prédios cobrindo a face para que não me reconheçam? As varias chagas deixadas em meu coração através dos tempos, parecem não sofrer nenhuma mudança, apesar das repentinas frustrações felizes e raras que me ocorrem. Talvez essas chagas estejam enterradas tão fundo em meu coração, que nem o toque de uma fada, poderia curá-las. Devo aceitar a solidão? Devo viver dessa maneira. ? Querer ser melhor é errado? Ou nunca estar bem é incorreto?

Tantas pessoas, tantos amores não correspondidos... a perda de um primeiro super amor, de uma vida apaixonante , da ausência de defeitos, do exuberante carinho, entre tantas outras vantagens, ficaram entalhadas em meus pensamentos, em meu coração. Nunca poderei esquecer o quanto te amei, nunca poderei esquecer aquelas mensagens que sempre me acordavam com aquele lindo sol em minha janela e aquelas poucas palavras que eu fazia questão de lê-las sem cessar: Eu te amo.

Não me lembro de ter passado por algo que eu estivesse tão envolvido, algo que eu desse tanto de mim, quanto nesse amor. Esse amor que me moveu durante meses, esse amor que me fez criar intrigas, que me fez criar ódio nos corações dos meus próximos...

Apesar desses lamentos, você foi a pessoa mais importante em toda minha vida, foi intenso nosso amor, foi algo inexplicável, foi algo que eu posso dizer que nunca viverei novamente. Eu amei você.

Por que as vezes ter a vontade de mudar não depende só de vontades próprias? Por que depender de outras pessoas é algo que pode nos reter de tantos bons momentos? Mudar, mudar... Algo que venho tentando a meses, a cada olhar, a cada movimento, a cada sorriso a cada ato... Me faz desistir cada vez mais. Por que sou tão humilde comigo mesmo? tão fraco e mesquinho...

A noite cai e meus pensamentos fluem de uma maneira que não posso usufruir de tantas idéia... Fico mais uma vez sem ação. Será que o amanhecer me revelará novos horizontes, novos caminhos pra que eu pare de escrever, uma nova situação de vida, algo que me mova algo como você...?Espero.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

E Megh Stock disse...

"Amados, não cobrem das pessoas o que elas não podem te dar, respeitem a personalidade de cada um. Se alguém não supre sua carência ou não corresponde suas expectativas, não cultive tais sentimentos, pois se frustrará.....na certa!"

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Melhor Abertura EVER

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Apenas uma metáfora...

Conta a lenda que um velho sábio, tido como mestre da paciência, era capaz de derrotar qualquer adversário. Certa tarde, um homem conhecido por sua total falta de escrúpulos apareceu com a intenção de desafiar o mestre da paciência. O velho aceitou o desafio e o homem começou a insultá-lo. Chegou a jogar algumas pedras em sua direção, cuspiu em sua direção e gritou todos os tipos de insultos. Durante horas fez tudo para provocá-lo, mas o velho permaneceu impassível. 

No final da tarde, sentindo-se já exausto e humilhado, o homem se deu por vencido e retirou-se. Impressionados, os alunos perguntaram ao mestre como ele pudera suportar tanta indignidade. 
O mestre perguntou: - Se alguém chega até você com um presente, e você não o aceita, a quem pertence o presente?
 - A quem tentou entregá-lo. Respondeu um dos discípulos. 
- O mesmo vale p/ a inveja, a raiva e os insultos. Quando não aceitos, continuam pertencendo a quem os carregava consigo. 

A sua paz interior depende exclusivamente de você. As pessoas não podem lhe tirar a calma... a não ser que você permita!

domingo, 29 de janeiro de 2012

Paradise

sábado, 28 de janeiro de 2012

Sambando Só

Será que ela samba porque quer
Ou é desabafo de mulher
Que já perdeu seu coração pra alguém
Que fez sua fortaleza ceder
Mais nunca deixa de esconder
Atrás das mãos sem revelar pra ninguém
Sua dor onde é que vai parar
Pelo samba ela se embala até cair
De copo em copo quer voar e distrair
Mais seu corpo que voltar
Pro's braços de quem deu um nó
Em sua vida é assim,
Ela segue sambando só...

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Abra los ojos

Open your eyes...

(Me lembrei agora desta fala da Penélope Cruz no maravilhoso filme "Vanilla Sky" e aproveitei para postar este achado em um fotolog antigo. rs)

domingo, 1 de janeiro de 2012

Canção pra você viver mais


Nunca pensei um dia chegar
E te ouvir dizer:
Não é por mal
Mas vou te fazer chorar
Hoje vou te fazer chorar

Não tenho muito tempo
Tenho medo de ser um só
Tenho medo de ser só um
Alguém pra se lembrar
Alguém pra se lembrar
Alguém pra se lembrar

Faz um tempo eu quis
Fazer uma canção
Pra você viver mais
Faz um tempo que eu quis
Fazer uma canção
Pra você viver mais

Deixei que tudo desaparecesse
E perto do fim
Não pude mais encontrar
O amor ainda estava lá
O amor ainda estava lá